Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan concedeu uma nova entrevista ao The Guardian, em que fala sobre sua infância, carreira e seus métodos de atuação. Confira abaixo a entrevista na íntegra.

As estrelas do cinema frequentemente se levantam para o seu lugar no mundo artístico se firmando e arrastando uma brilhante série de papéis principais e celebridades na disputa atrás deles. Outros, como Saoirse Ronan, aparecem de repente, brilhando de forma benigna.

A ganhadora do Globo de Ouro, agora uma artista da lista A, apesar de ter apenas 23 anos, é a atriz irlandesa-americana sem fronteiras, sem reservas, cujo papel principal no famoso filme Lady Bird, juntamente com os próximos filmes principais em Mary Queen of Scots, On Chesil Beach e The Seagull, está prestes a sublinhar fortemente a sua chegada ao primeiro grau de talento. Contudo, chegar ao topo das listas de diretores de elenco foi conseguido silenciosamente, através de uma sucessão de papéis cuidadosamente delineados em filmes incomuns e complexos, como Brooklyn, The Grand Budapest Hotel e Atonement.

O último desempenho de Ronan, como a adolescente determinada de Sacramento conhecida como Lady Bird, ganhou seus prêmios e nomeações em abundância. De acordo com o New York Times, ela desempenha o papel, que é vagamente baseada na vida jovem da escritora e diretora Greta Gerwig, “com uma precisão assustadora e intrépida”. Ela já é, o jornal sugere, uma das “atrizes de cinema mais formidáveis” atualmente.

Colegas também estão impressionados. “Saoirse não tem um osso desonesto em seu corpo e isso se traduz diretamente em seu trabalho, na tela“, disse Colin Farrell.

E como se toda essa exposição precoce e elogios para o trabalho de seu filme não bastasse, Ronan também levou ao palco da Broadway com autodomínio há um ano e meio como Abigail Williams em The Crucible de Arthur Miller. Ela era “o rosto dessa produção” nas palavras do The Hollywood Reporter, “fria e comandando na sua primeira atuação em palco”. Além disso, Ronan apareceu no ano passado no vídeo de Ed Sheeran para sua música de sucesso Galway Girl. Com a exceção desta pequena aparição no pop (e talvez em Muppets: Most Wanted), a atriz se distingue por uma sucessão de opções de carreira bastante sóbrias. Ela assumiu os riscos com roteiros sofisticados, em vez de optar por coisas óbvias.

O destino de Lady Bird tornou-se uma causa famosa de Hollywood, embora ainda seja um mês antes do lançamento do filme na Grã-Bretanha. Como a adolescente que insiste que seu nome é Lady Bird – no sentido de que ela o deu a si mesma – Ronan carrega muito do peso desse drama centrado nas mulheres, num momento em que tais fatores são especialmente significativos. Então, quando o filme foi ignorado na categoria de melhor diretor na cerimônia do Globo de Ouro no último domingo, muitas dúvidas foram criadas, especialmente quando ganhou o melhor filme, enquanto Ronan ganhou como melhor atriz. A apresentadora dos prêmios, Natalie Portman, falou por muitos desses vestidos de preto naquela noite quando questionou a formação de candidatos masculinos. As coisas foram definidas diretamente desde a indicação de diretora da Guild of America para Gerwig, embora apenas Ronan tenha sido reconhecida no Bafta.

Aceitando seu gongo brilhante na semana passada, Ronan mencionou que sua mãe não estava com ela para a cerimônia, mas estava assistindo no Facetime. Isso levou a imprensa irlandesa a descobrir o porquê. Ela estava, foi revelado, em casa para cuidar de uma nova cachorra, Fran. Pode parecer estranho perder esse triunfo familiar, mas a Sra. Ronan não tem poucos motivos para se orgulhar.

Sua filha, que nasceu no Bronx, na cidade de Nova York, já foi amplamente nomeada para prêmios durante sua curta carreira: primeiro aos 13 anos por seu fatídico papel como Briony Tallis no filme Atonement em 2007 de Ian McEwan e depois como a imigrante irlandesa luminosamente reservada, Eilis, em Brooklyn, adaptado da novela de Colm Toíbín em 2015.

De fato, a história de seus próprios pais não está tão longe da busca transatlântica dessa história, embora as tentativas de Paul e Monica Ronan de fazer uma nova vida longe da Irlanda pertençam a uma era posterior. Seu pai trabalhou na construção de sites e depois atrás de um bar, enquanto sua mãe fazia um trabalho como babá. Depois de tentar como ator, seu pai passou a trabalhar em uma série de filmes, aparecendo com Brad Pitt em The Devil’s Own. Mas sua filha agora reivindica lembranças de família daquele momento difícil quando Tinseltown ameaça deslumbrar.

Eles tiveram que lutar por um longo tempo“, disse ela. “Minha mãe observou meu pai perder as peças ou a estrela em shows fora da Broadway e fazer coisas pequenas. Ela viu essas pessoas realmente talentosas nunca receberem a chance que mereciam“, disse ela. “Então eles me prepararam para ser realista. E isso é bom, porque o momento em que a fama se torna uma prioridade, você deve desistir.

A jovem família, eventualmente, voltou para Carlow na Irlanda, o que explica o riso irlandês de Ronan. No início, ela ganhou um papel em uma série irlandês chamada The Clinic, e ir para a escola logo se tornou problemático. Nenhum dos pais de Ronan apreciou a vida acadêmica. Monica deixou a escola aos 15 anos depois de “problemas com as freiras” e seu pai não tinha feito muito melhor. Então, quando Ronan começou a sentir que seus professores e outros alunos estavam “dando-lhe um tempo difícil”, ela optou pela escolaridade em casa.

Alguns dos alunos eram, você sabe, malvados. Mas quando seus colegas de escola reconhecem você antes de conhecê-lo, e os professores também, isso pode tornar as coisas muito estranhas e difíceis“, disse ela.

Sua grande chance veio com Atonement, algo que ela conseguiu porque ela trabalhou com o treinador dialético envolvido no filme em outro projeto de filme abortado. Por força de sua habilidade, Ronan foi lançada como a irmã mais nova de Keira Knightley. “Briony deveria ser essa inglesa de cabelos castanhos, de olhos castanhos e de classe média – ela deveria parecer que estava relacionada com Keira“, diz Ronan, gesticulando para sua pele pálida, sardas e cabelos loiros.

Embora Briony seja a catalisadora de toda a dor na história, Ronan sempre a defendeu firmemente. “As pessoas dizem que Briony é má, e ela não é. Ela não é vingativa ou rancorosa. É só que ela não expressa suas emoções; ela simplesmente se senta e observa tudo“.

Essa relação com os personagens fictícios de McEwan continuará este ano com o lançamento de On Chesil Beach, na qual ela interpreta uma noiva aflita, Florence.

A carreira de Ronan, compreensivelmente, decolou após Atonement, que lhe valeu uma indicação ao Oscar, com um papel de liderança na adaptação de 2009 do bestseller sombrio de Alice Sebold, The Lovely Bones, dirigido por Peter Jackson e uma saída como vampira no filme de terror de 2013 de Neil Jordan Byzantium. Jordan, mais conhecido por fazer Mona Lisa e The Crying Game, respondeu em particular à “quietude” de Ronan. “Quando ela começa a atuar, ela está tão possuída que é bastante assustadora“, disse ele. “As pessoas dizem que alguns atores são naturais. Bem, com Saoirse, quase não é natural.

Uma certa quantidade de tecnicismo entra nisso“, diz ela. “Trata-se de entender a câmera: como ela funciona, o que ela vai pegar. Tudo fica muito silencioso no set. Você pode sentir a atmosfera quando todos sabem o quão importante é a gravação. A câmera é como um amigo, senta-se, está a todos os ouvidos, e quer que você derrame seu coração. Ela olha fixamente – e essa é a maneira de ouvir“.

Com a crescente fama na América e na Grã-Bretanha veio uma luta contínua para Ronan: o de conseguir que as pessoas pronunciem seu nome corretamente. Ela aprendeu, diz ela, a responder de forma obrigatória a uma grande variedade de sons que começam com “S”. Mesmo o cartaz do Globo de Ouro, há alguns anos, escreveu seu nome Sarise por engano. “Você realmente pronuncia como Sairsha“, ela explicou. “Mas você também pode dizer Sersha, ou Seersha“.

Ela estará trocando as raízes irlandesas para escocesa com o lançamento de Mary Queen of Scots no final deste ano. O filme, baseado no estudo de John Guy sobre a prima maldita da rainha Elizabeth I, é dirigido por Josie Rourke, diretora artística do Donmar Warehouse, que anunciou sua partida do trabalho na semana passada. Margot Robbie interpretará a rainha, e Ronan interpretará Mary Stuart, que teve que suportar os olhos do mundo sobre ela em uma idade tênue.

Se houver uma estrela que teve que aprender a perfeita compostura adolescente em face do escrutínio público inicial, é Ronan. Só adota os ares e as graças da autoridade régia que exigirá um pouco de imaginação nesse papel.

A HISTÓRIA

Nascida em 12 de abril de 1994 no Bronx, Nova York, a única filha de pais irlandeses. Sua família mudou-se para Dublin quando tinha três anos.

Sua performance revolucionária foi interpretar a adolescente Briony Tallis em Atonement (2007), ganhando uma indicação ao Oscar de melhor atriz de apoio. Ela também estrelou em The Grand Budapest Hotel (2014), Brooklyn (2015) e Lady Bird (2017), pelo qual ganhou o Globo de Ouro de melhor atriz em uma comédia ou musical.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan participou ontem (10/01) do programa The Tonight Show Starring Jimmy Fallon, e explicou porquê sua mãe não a acompanhou na premiação do Globo de Ouro deste ano. Você pode conferir o trecho da entrevista abaixo.

Na noite de domingo, Saoirse Ronan ganhou um Globo de Ouro por seu papel em Lady Bird, orgulhando todo o país.

Saoirse trouxe sua melhor amiga Eileen (quem você pode reconhecer de Brooklyn) como sua convidada – ela disse a Jimmy Fallon ontem à noite que ela pediu a sua mãe Monica que a acompanhasse, mas… Fran tinha que vir em primeiro lugar.

Quem é Fran, você pode estar se perguntando? Bem:

[Minha mãe] comprou uma nova cachorra chamada Fran. Ela tem cerca de um ano e meio de idade agora. Nós pensamos que ela é uma Westie Terrier misturada com um Golden Retriever e eu não sei como isso realmente funcionou. Eu acho que se eu fosse um cão, eu seria como Fran. Ela é loira e um pouco… louca. Ela deixou de ir ao Globo de Ouro para cuidar da Fran“, disse Saoirse. “Fran com certeza tornou-se a prioridade para minha mãe agora“.

Como já sabemos, sua mãe estava presente para o seu discurso através do FaceTime, embora a diferença de tempo significasse que ela estava um pouco distante:

Ela estava gritando com os olhos porque ela estava tão cansada, era cerca de 3 da manhã na Irlanda, então ela estava tão cansada! Ela fazia chá para ficar acordada por horas e horas“.

Tão fofo. Você pode imaginar ser a mãe de Saoirse Ronan agora mesmo? Explodindo de orgulho.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan concedeu uma nova entrevista à W Magazine e VOGUE UK, para as edições especiais de ‘Melhores performances do ano de 2017‘ das revistas. Ela fala sobre “Lady Bird“, ter um crush pela atriz Diane Kruger e muito mais. Confira a entrevista completa abaixo.

Saoirse Ronan passou a melhor parte de sua adolescência em Hollywood, graças por ter roubado a cena – e sendo nomeada ao Oscar – por Atonement de 2007. Mas agora, aos 23 anos de idade, Ronan conseguiu essa chance de realizar alguns dessas tradições do ensino médio que uma vez aludiram a ela, incluindo ter um armário e participar do baile, graças ao seu papel em Lady Bird. O filme, que marca a estréia da diretora Greta Gerwig, tem Ronan como a personagem principal, uma inesquecível heroína adolescente com uma visão particular do mundo – e dela mesma. Não muito diferente da própria atriz, como acontece. “Lady Bird definitivamente leva toda a auto-crença e autoconfiança a um nível completamente novo. Mas definitivamente tive um sentimento muito forte de mim mesma“, disse Ronan. Aqui, a atriz fala sobre o amplo filme, festas de dança com Gerwig e por que ela tem uma conexão especial com ninguém além de Alanis Morissette.

Como você conseguiu o roteiro de Lady Bird?

Foi me enviado o roteiro de Lady Bird cerca de dois anos atrás. Eu estava realmente entusiasmada com isso porque é Greta Gerwig e eu sou uma grande fã de Greta. E eu nunca tinha lido especialmente uma espécie de jovem heroína assim antes; Alguém que se vê como uma heroína feminina. Alguém disse no outro dia que você nunca vê garotas que realmente se amam em filmes, e [Lady Bird] realmente acredita em si mesma. Então Greta e eu fizemos essa reunião pelo Skype, [porque] eu estava na Irlanda e acho que ela estava em Los Angeles. Nós nunca nos conhecemos, mas ficamos tão animadas uma com a outra. Era como se não pudéssemos dizer o suficiente sobre a outra. Então, alguns meses depois, eu estava no Festival de Cinema de Toronto e ela também estava lá. Então, tivemos essa outra reunião animada e lemos todo o script e foi ótimo. Ela interpretou todos os outros papéis e eu interpretei Lady Bird.

Você entrou em uma escola católica como Lady Bird?

Eu tinha ido tecnicamente a uma escola primária católica e fui muito brevemente a uma escola secundária católica na Irlanda. Eu estava dentro e fora do ensino médio. Eu estudei em casa, [então] era mais uma educação incomum. Mas acho que, mesmo que eu estivesse em uma escola secundária na Irlanda, a cultura do ensino médio americana é diferente – toda a ideia de enturmar-se com as pessoas populares e todo esse tipo de coisa. Isso era algo que eu não tinha experimentado antes. A única vez que eu vi coisas assim foi em Saved by the Bell. Por isso, foi um sonho para mim ter como realmente viver isso.

Você já teve um armário?

Eu tinha um armário e fomos ao baile. Eu fui ao baile com minha melhor amiga.

O baile de formatura tem algum outro nome equivalente em irlandês?

Debutante. Mas eu também nunca fui a isso; ninguém me convidou.

Você conseguiu escolher o seu vestido de baile ou era apenas um figurino?

Tinha um pouco de ambos, na verdade. Eles escolheram esses vestidos incríveis que April Napier, a figurinista, havia encontrado em lojas de segunda mão. Há esta cena que Laurie Metcalf e eu temos onde estamos em Thrift Town e estou escolhendo um vestido de baile, e April, essencialmente, foi a uma Thrift Town para encontrar estes vestidos incríveis. Então, tentamos alguns; Era sobre encontrar algo que era legal e também muito bonito. Eu acho que ela é uma dessas meninas que sua fisicalidade de alguma forma é bastante masculina de certa forma. Ela meio que, quando ela caminha, ela marcha e ela tem um propósito, então foi bom usar algo um pouco mais feminino para suavizar isso.

Eu gosto de sua confiança, de “eu vou vencer o mundo”, esse tipo de atitude. Você se relaciona com isso?

Eu acho que Lady Bird definitivamente leva toda a auto-crença e autoconfiança a um nível totalmente novo. Mas eu definitivamente tinha um sentimento muito forte de mim mesma. Eu tinha um forte senso de quem eu era e estava ciente de que, assim, isso mudaria à medida que envelheço e dependendo de com quem eu estava e com o que eu estava trabalhando e do que eu estava fazendo e coisas assim. Eu sempre fui bastante aberto a isso. Com Lady Bird, ela tem esse objetivo, mas ela não sabe qual é o objetivo, ela só sabe como ela vai ser alguém e ela vai dizer alguma coisa. Ela tem algo a dizer, mas ela simplesmente não sabe o que é ainda, você entende? Estamos encontrando ela em um momento em sua vida que é um momento intermediário. Ela está bem no precipício dessa mudança maciça.

Eu sei que Greta teve festas de dança no set. Como eram?

Ah meu Deus, nós choramos nas festas de dança. Nós choramos, nós rimos. Tínhamos festas de dança quando ensaiamos. Lucas [Hedges] e eu fomos ao apartamento dela uma vez e nem me lembro o que interpretamos, mas acabamos de dançar por tanto tempo que ficamos realmente emocionados. Ela tocava muita música no set. Foi ótimo. É bom ter música, porque subconscientemente faz com que as pessoas se movam para o mesmo ritmo. Todo mundo começa a trabalhar um pouco o mesmo ritmo, e todos têm um ritmo que eles seguem no set. É uma ótima maneira de reunir as pessoas.

Você tem uma música que você associe ao filme na sua cabeça?

Quero dizer, Alanis Morrissette era exatamente o que estava sempre na minha cabeça. O primeiro filme que fiz com Amy Heckerling, ela escreveu esse tipo de versão sarcástica e irônica de “Ironic”, que chamava de “Isn’t It Moronic?” Então eu sempre tive uma conexão especial com Alanis Morrissette. Acho que ela é uma dessas garotas que é realmente feminina, mas também muito legal e muito forte. Se Lady Bird fosse olhar para qualquer um ou ouvir alguém, seria alguém como ela.

Qual foi a sua fantasia de Halloween preferida?

Eu não sou uma grande fã do Halloween, pode me julgar, mas, todos os anos, eu me vestia como uma bruxa porque não podia ser irlandesa e me vestir como qualquer outra coisa. Eu sempre tinha um saco de lixo e cortava um buraco nele e o transformava em uma capa. Eu também me vesti como Gilly, que é um personagem de Kristen Wiig do SNL há dois anos. Peguei a peruca no meio do caminho, porque me senti boba, porque não sou a Kristen Wiig.

Qual é a sua lembrança favorita de Ano Novo?

Eu sou terrível para esse tipo de coisa. Bem, eu tenho algumas histórias de Ano Novo muito dramáticas, mas não sei se posso dizer isso na frente da câmera. Eu vou dizer uma. Então, eu estava caminhando pela rua com os meus amigos e o relógio atingiu doze horas e havia apenas uma gaiola deitada no pavimento. E então, pegamos e estávamos bem ao lado do Museu de História Natural, então abrimos a porta e entramos nesta festa maciça no museu e ficamos lá a noite toda… Isso nunca aconteceu.

Qual o melhor conselho que sua mãe lhe deu?

Ah Deus, ela me deu muitos conselhos. Ela sempre me diz para ‘seguir seu instinto e sempre ouvir o que você realmente precisa’. Eu não seria tão sã sem ela, eu realmente não seria. Eu voltei para o apartamento em que fiquei em L.A. outro dia e havia uma loja da Whole Foods e ela havia encomendado toda essa comida da Irlanda.

Quem é a celebridade que você possui um crush atualmente?

Diane Kruger, porque ela é tão desprendida.

Você tem uma performance favorita de Diane Kruger?

Inglourious Basterds. Ela está incrível nesse.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan concedeu uma nova entrevista à revista People, na qual ela fala sobre a razão pela qual não teve medo em nenhum momento de aparecer em “Lady Bird” sem encobrir a acne de sua pele. Confira abaixo.

Embora seja uma estrela de cinema muitas vezes associada com horas na cadeira de maquiagem, Saoirse Ronan não tinha restrições quando a diretora de Lady Bird, Greta Gerwig, sugeriu que ela não mudasse completamente para o papel.

A atriz de 23 anos disse que sua pele só recentemente começou a ficar ruim depois de fazer os eventos de imprensa e tapete vermelho para seu drama nomeado ao Oscar em 2015. Mas quando a opção de ir sem maquiagem foi trazida durante um teste de câmera para Lady Bird, Ronan “não era realmente insegura sobre isso“.

Na verdade, não pensei nisso“, disse à People no jantar de prêmios do New York Film Critics de quarta-feira, onde foi premiada com o Melhor Atriz. “Quando você está interpretando um personagem, pelo menos para mim, isto lhe permite ir a lugares que você realmente não esteve antes em relação ao seu look e do tipo de pessoa que deseja ser, e sua voz e tudo o mais, então há uma liberdade que você obtém quando você está interpretando um personagem para se colocar lá um pouco mais“.

A nomeada duas vezes ao Oscar também está confiante com seu nome – não importa o quão desafiante é pronunciá-lo.

Ela admitiu: “Quando eu era criança, quando eu tinha 6 anos, pensei: ‘Ah, não seria tão bom ser chamada como Hailey ou Sara?’ Mas, à medida que eu envelhecia, eu simplesmente gostava de que ninguém mais tivesse isto.

Agora, a nativa da Irlanda diz que “nunca” mudará.

Apenas uma vez alguém sugeriu que eu deveria, e eu fiquei tipo, ‘Saia da minha vida!’“.

A agora três vezes nomeada ao Globo de Ouro foi nomeada pela primeira vez em 2008 por seu papel em Atonement e, novamente, em 2016 por Brooklyn.

Agora, uma veterana do circuito de prêmios, Ronan está ansiosa para celebrar a noite do Globo de Ouro com seu elenco e Timothé Chalamet, de Call me By Your Name, que também aparece em Lady Bird.

Sempre que aconteceu, tem sido para um filme sobre o qual eu me importasse muito e trabalhei arduamente“, ela disse anteriormente a People. “Se você ganha ou perde, é apenas uma ótima desculpa para comemorar o trabalho duro que você fez, com Greta. E Timothee também foi nomeado, então vai ser muito bom compartilhar com eles!

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan foi nomeada por seu trabalho em “Lady Bird” ao Golden Globes 2018, e já confirmou presença na premiação que acontecerá neste fim de semana. Agora, a atriz falou em uma nova entrevista a razão pela qual estará vestindo um look totalmente preto na premiação. Confira abaixo.

A estrela de cinema Saoirse Ronan confirmou que estará entre as muitas atrizes que usarão preto no Golden Globes neste fim de semana (07 de janeiro de 2018).

As principais damas de Hollywood optaram por utilizar a cor como parte de um protesto silencioso contra os chefes de cinema e os cineastas que aproveitaram sua posição e poder para assediar e violentar sexualmente suas colegas.

E Ronan, que conquistou a honra de Melhor Atriz nos Prêmios do Festival Internacional de Cinema de Palm Springs em 2018 no início desta semana por seu papel em Lady Bird, revelou que ela escolheu um look totalmente preto para o Golden Globes.

A nomeada conta que os fãs da moda devem esperar ver muito preto no tapete vermelho: “Nós todas estaremos vestidas de preto“, diz ela.

Saoirse admite que ela está mais do que feliz em fazer o que pode para fazer parte do crescente movimento anti-assédio de Hollywood: “É a coisa mais importante“, diz ela, “e nunca me senti tão encorajada, inspirada e apoiada para usar a voz que eu tenho e para todas essas pessoas, homens e mulheres, para poder juntar-se e usar sua influência e abrir a conversa, aumentar a conscientização e apoiar qualquer pessoa que tenha passado, ou qualquer pessoa que tenha questionado sua segurança ou sua posição quando eles estão no set. Eu acho inestimável e primordial que isso aconteça agora“.

A jovem de 23 anos não experimentou o horror que muitas de suas colegas têm nas mãos de diretores e produtores predatórios, e admite que ainda adora a vida em um filme: “Eu amo isso, eu realmente amo. Eu amo o trabalho e amo trabalhar em filmes e com equipes e estar ao redor desse ambiente. Isso significa um lar para mim mais do que qualquer outra coisa“.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan e seu co-estrela em “Lady Bird“, Timothée Chalamet, compareceram ao 29º Annual Palm Springs International Film Festival Awards Gala no último dia 2. Quando passaram pelo tapete vermelho da premiação, ambos concederam entrevista à ET e, elogiaram um ao outro. Você pode conferir abaixo.

2017 foi preenchido com performances poderosas e encantadoras, particularmente pelos jovens atores Saoirse Ronan e Timothee Chalamet.

Ronan, que não é estranha ao circuito de premiação depois de estrelar filmes como Brooklyn de 2015 e Atonement de 2007, está ganhando elogios por seu último papel em Lady Bird, enquanto Chalamet, que atua ao lado de Ronan no filme dirigido por Greta Gerwig, foi o assunto de premiação por sua parte em Call Me by Your Name.

Denny Directo da ET falou com as duas estrelas nos 29º Edição Anual do Palm Springs International Film Festival Awards na noite de terça-feira, onde Chalamet foi homenageado com o Rising Star Award e Ronan recebeu o Prêmio Desert Achievement Award.

Estou cheio de uma imensa gratidão“, disse Chalamet por ser reconhecido por sua atuação. “Não há nenhum projeto ou plano para estar em filmes que são bem recebidos. Você apenas tenta trabalhar o mesmo em tudo, então estar em coisas bem recebidas é um bom sentimento, porque estive em coisas que ninguém vê.

Eu vi Saoirse ontem à noite enquanto entramos no hotel juntos. Ela não tinha assistido Call Me by Your Name ainda e depois ela assistiu, então isso foi um sentimento impressionante e eu compartilhei um grande abraço com ela“, ele continuou com a sua Lady Bird co-estrela. “O que é legal é ver os heróis e as pessoas com quem estudei e admiro e agora assistiram coisas em que eu estou, o que é louco. Esse é o sentimento mais estranho“.

Chalamet era igualmente encantador no palco enquanto aceitava seu prêmio adorável dizendo a si mesmo “por favor, não seja estranho“, antes de dar um agradecimento especial à esposa de Armie Hammer, seu co-estrela em Call Me by Your Name, Elizabeth Chambers, “quem me deixou rastejar sobre seu marido por dois meses.” O ator também agradeceu a sua mãe em uma mensagem fofa sobre o deslocamento do controle remoto da Apple TV.

Timmy merece tudo o que ele está recebendo, porque ele é tão maravilhoso em [Call Me by Your Name]“, Ronan, 23, disse a ET no tapete vermelho. “Então, sim, para compartilhar a noite com ele e Luca [Guadagnino], que dirigiu [o filme] e Greta, e todas as outras pessoas adoráveis que conhecemos [é maravilhoso]. O bom é que você termine apenas com as mesmas pessoas ao longo do circuito, então você se conhece e isso tira a concorrência e torna-se mais uma coisa comum.

Honestamente, depois de ter passado por [o circuito dos prêmios] antes, você sabe o que esperar um pouco. É esmagador, é uma montanha-russa, então, se você pode manter sua inteligência sobre você o máximo possível, isso realmente ajuda” ela compartilhou. “É importante para mim agora ter minha mãe comigo, ou meu melhor amigo venha a um evento ou algo assim. É bom ter quem você goste com você“.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan e Greta Gerwig estampam a primeira capa do ano da revista Variety, elas falam sobre “Lady Bird” e o impacto que o filme teve nas meninas, que agora se sentem representadas. Você pode ler isso e muito mais abaixo.

INICIO > REVISTAS | MAGAZINE SCANS > 2018 > VARIETY | JANEIRO

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2018 > VARIETY

Greta Gerwig está tomando café e uma tigela de arroz com jasmim em um restaurante SoHo, em sua maioria vazio, em uma tarde gelada no final de dezembro. No dia anterior, ela foi nomeada melhor diretora do Conselho Nacional de Revisão, o primeiro de muitos elogios que ela, sua estrela Saoirse Ronan e seu filme “Lady Bird” receberão nas próximas semanas. Gerwig está radiante, embora tenha a sensação de que é o seu estado natural. Seus cabelos curtos são loiros, com raízes escuras, e você pode ver um eco de um número de personagens que ela interpretou – a dançarina de “Frances Ha”, o punk artístico de Bowie-headed em “20th Century Women” – em seu grande sorriso de sol, sua risada fácil de abrir, sua inteligência lançada.

Não foi até que comecei a escrever ‘Lady Bird’ que pensei: ‘Onde está esse filme? Por que isso não foi feito?“, diz Gerwig. “Filmes de John Hughes que eu amo; Eles são tão incríveis para mim. Mas não é isso o que se sente, não é? Não é isso que está dentro. Eu queria mostrar o que era dentro“.

Unindo suas vozes e talentos, Lady Bird representa um momento seminal nas carreiras de Gerwig, a atriz mumblecore que se tornou indie e foi de garota do momento se tornando roteirista e que se tornou diretora, e Ronan, a estrela irlandês-americana de 23 anos, cujo desempenho tornou-se um oponente na disputa de melhor atriz do Oscar.

Este é o primeiro filme que Gerwig escreveu e dirigiu, e assim como ela surgiu do mundo indie, aos 34 anos, como um talento cinematográfico, Ronan, depois de uma série de performances altamente reverenciadas, eleva seu desempenho para um novo pico de pura emoção. Havia, naturalmente, muitas meninas hipster de escolas em filmes, mas nenhuma com essa intensidade de busca e uma paixão teimosa.

Ronan, como um semi-inadaptada da escola paroquial com cabelo vermelho, chamada Lady Bird (Christine McPherson), ocupa o centro furioso de um filme que se parece em pequena escala. No entanto, “Lady Bird” possui uma qualidade estranha, que você viu nos novos filmes de Hollywood dos anos 70 e os clássicos indie dos anos 90. Tem uma voz poderosamente distinta – ousada, arrojada, sorrateira e nova.

Gerwig chama Lady Bird de um personagem que não se desculpa. “Ela é uma jovem que é capaz de manter seus próprios desejos“, diz ela. “Ela é lúcida; ela quer coisas. Não obtendo estudos de gênero sobre isso, mas ela não está esperando que ninguém a veja. Ela é a pessoa que está olhando.

Há uma maneira de ler o momento atual que liga “Lady Bird” a um novo mundo de oportunidades para mulheres cineastas. Gerwig veio com o tempo admirando diretoras como Claire Denis, Agnès Varda (Gerwig sobre Varda: “Você é tão boa quanto Truffaut, ou Godard, ou seu marido!“) E Kathryn Bigelow (quando ganhou o Oscar por diretora, disse para Gerwig, “Este é um trabalho disponível para você“). E em um ano governado pela explosão do gênero pop da super-heroína de Patty Jenkins, “Wonder Woman”, e que acabou com nada menos que uma mudança de paradigma na questão do assédio sexual, “há algo coalescente“, diz Gerwig. “Todos os anos eles saem com os números. Você sabe, dos 100 melhores filmes, e mais ou menos, 4% são dirigidos por mulheres. Eu acho que esses números vão mudar. E parece que será cada vez menor sua própria categoria. Só haverá… diretores.

Nos dois meses desde que “Lady Bird” foi lançado pela A24, o inconformista indie por trás do “Moonlight”, vencedor do Oscar de 2016, o filme de Gerwig tornou-se a rara característica independente que é um sucesso cruzado (US $ 30 milhões e contagem), um querido dos críticos (99% de classificação recente em Rotten Tomatoes) e um grande ganhador de prêmios. Com o elogio dos grupos de críticos e com quatro Globos de Ouro e três indicações para o prêmio SAG, o filme está sendo falado como um forte candidato para Melhor Imagem nos Oscars. No entanto, o que todo o sucesso acrescenta – e não pode medir inteiramente – é que “Lady Bird” tornou-se uma pedra de toque, um marco de filme geracional saudado por sua declaração de uma nova e ousada maneira de ver.

Eu conheci meninas, meninas muito inteligentes, que vieram até mim, e elas estão tão entusiasmadas que finalmente conseguiram um filme que as representam“, ​​diz Ronan. “Muitas delas dizem: ‘Esse era eu! Eu era Lady Bird.’ O filme realmente as fez entender esse período inteiro um pouco mais. Você sente que é quase um álbum de fotos que você está olhando de volta.

Ronan cria um retrato de uma experiência adolescente que é irresistível e indelével, e Gerwig constrói um mundo ao seu redor que é naturalista, mas invisivelmente aumentado – tão marcado como uma comédia de fósforo, mas tão espontaneamente humano como um filme como “Boyhood”.

Há algo sobre Saoirse na tela“, diz Gerwig. “Você sente que você poderia olhar diretamente através dela, como se você pudesse ver seu interior e seu cérebro funcionando. Eu quero uma atriz para sentir que ela está em plena posse do personagem – não como se você estivesse emprestando a eles, mas que eles possuem isso“.

Ronan, tomando chá no bar do Four Seasons Hotel em Midtown Manhattan, com brincos de aro e um lenço sobre um top de veludo esmagado, o cabelo puxado para trás, fala sobre por que ela estava tão atraída pelo personagem.

O que eu sabia era que seria tão interessante em interpretá-la“, diz ela, “e o que também foi assustador em interpretá-la, é que ela está tentando todos esses papéis diferentes, para ver qual deles se encaixa melhor. Um minuto ela é o showman no palco, e a próxima é a namorada adoradora, e a próxima é a garota que vai se instalar na escola“, explica a atriz, ainda privada do sono na noite anterior, quando participou do “Saturday Night Live” e ficou acordada todas as horas na festa do elenco. “Ela está testando todos eles. Ela está testando-se o tempo todo“.

Ronan se orientou para o papel na idade adiantada. Ela nasceu no Bronx, mas seus pais vieram de Dublin e mudaram sua família para a Irlanda quando tinha três anos. Ela foi educada em casa e aprendeu muito do que sabia sobre a sociedade do ensino médio assistindo comédias adolescentes. Se você olhar para os papéis que ganharam Ronan com maior aclamação, como a assassina adolescente de “Hanna” (2011) ou o romântico cultural de “Brooklyn” (2015), você verá um padrão que é quase inconscientemente gravado: ela interpreta mulheres jovens que são atraídas para fora de suas zonas de conforto, que se empurram de um espaço para o outro.

Eu admirava o quanto a corajosa Lady Bird deveria assumir um risco e potencialmente dar de cara no chão“, diz ela. “Eu acho que há algo muito admirável em alguém que simplesmente vai, ‘Que se foda! Eu mesmo vou fazer isso.’ E eu amo a complexidade dela. Você não consegue ver adolescentes assim na tela. Elas sempre desejam um menino“.

Gerwig e Ronan trabalharam juntas para criar a personagem de Lady Bird, começando com seu olhar. Elas colaboraram em como fazer os cabelos tingidos picados (a escolha da cor foi de Gerwig, o corte de Ronan) e Gerwig convidou Ronan para rodar seus próprios figurinos (“Ela diria: “Ah, acho que Lady Bird usaria isso hoje”). Mais surpreendentemente, quando um ano de trabalho estressado – e muitas horas sob luzes e maquiagem durante a Broadway em 2016 em “The Crucible” – resultou na ruptura da pele de Ronan, Gerwig sugeriu suavemente que ela não cobrisse sua acne para o filme. “Eu não estava insegura sobre isso, por qualquer motivo“, lembra Ronan. “Eu simplesmente me senti totalmente disposta a fazer isso.” Isso acabou por ser um toque único, parte do que faz com que Lady Bird seja uma autêntica menina com problemas. A confiança que fundamentou sua colaboração decolou a partir daí.

Eu acho que de onde Greta veio, nós duas queríamos ser um pouco Lady Bird“, diz Ronan. “Nós estávamos ambas em um estado muito aberto. E este era um personagem cru. Não havia nada para se esconder atrás.

“Lady Bird” é vagamente baseada na própria vida de Gerwig, mas é muito menos autobiográfico do que muitas pessoas ainda percebem. Gerwig, como sua heroína, cresceu em Sacramento, foi um erro de teatro musical e teve um caso de inveja imobiliária do lado errado (“Eu acho que alguém que cresce em Sacramento, se você não morasse no Fabulous Forties, você desejou isso“). Mas ela nunca fez ninguém chamá-la por um nome diferente, nunca tingiu os cabelos de vermelho brilhante e nunca se empenhou em uma batalha no último ano com sua mãe se ela poderia ir para a faculdade de volta para o leste.

Tanto do que Lady Bird é foi essa defeituosa mas heroína de fantasia que eu criei“, diz Gerwig. “Eu estava tão seguindo as regras e agradou as pessoas e ganhou as estrelas de ouro. Não queria arrasar com tudo. Eu sempre fui eu, mas não era como ela era. Seu tipo de bravura inata. Apenas um tipo de qualidade de ir-atrás-disto – eu não tinha isso. Eu estava muito mais colorindo dentro das linhas. Mas acho que para mim a arte sempre foi o lugar onde eu poderia ir muito longe“.

Mas e os pensamentos de Lady Bird – todos aqueles que acabaram de morrer? “Não!“, Ela diz, rindo. “Eu penso algumas das coisas, mas eu nunca os diria“.

Nós costumávamos chamá-lo de “poder das meninas”, e é verdade que os filmes, ao longo dos anos, nos deram muitas mulheres jovens fortes e liberadas. No entanto, a centelha revolucionária de “Lady Bird” é encarnada não apenas na performance iraniana de Ronan e no interior, mas na estrutura e design brilhantemente executados. É um filme que caminha num fio alto. As cenas passam por uma série de momentos – instantâneos da vida – mantidos juntos apenas pela bravura sem fôlego do cinema de Gerwig.

O efeito é criar um fluxo de emoção coruscante em que cada momento se torna especial – não porque seja um “arco”, mas sim porque é simplesmente. Perto do final, quando Lady Bird sai de uma igreja depois de uma noite de bebida, ela tem uma epifania: não só que sua cidade natal de Sacramento é um lugar adorável, mas que a vida que ela ansiava tanto é a que ela estava vivendo. É a cena mais emocionante e espiritual em qualquer filme deste ano, e torna-se uma declaração sobre a vida de mulheres jovens. O filme diz: Todo momento da sua vida é transcendente, desde que você esteja vivo.

Gerwig sempre quis dirigir filmes, voltando para quando começou seus filmes indie como “Hannah Takes the Stairs” (2007), que eram esforços abertamente coletivos. “Quando eu estava atuando naqueles pequenos filmes“, lembra ela, “eu também consegui escrever enquanto eu estava atuando, porque nós tínhamos os personagens e a trama inventada, e nós estávamos falando improvisadamente. Parecia uma maneira de testar o que funcionava como escritora“.

Ela não mergulhou de cabeça em roteiros até os dois filmes que ela escreveu com seu parceiro, o cineasta Noah Baumbach. O primeiro, “Frances Ha” (2012), é um pequeno filme notável, e observando-o, você pode ver o estágio formativo da estética de Gerwig: também é um filme que encontra sua verdade no fluxo de momentos.

Gerwig constrói seus scripts dessa maneira, mas é mais do que uma questão de encadear anedotas. “Quase parece como tecer“, diz ela. “Eu vou colocar tudo na minha frente quando eu estiver escrevendo, e quase vou arranjar isso como uma colcha. E eu sinto que estou atrapalhando. À medida que você muda de momento para momento, não sente como se qualquer sinal estivesse marcado para você, mas um terço do caminho através de você percebe que está começando a pegar sob você“.

Gerwig diz que aprendeu a dirigir, absorvendo tudo o que viu nos sets de filmes em que trabalhou como atriz; ela se refere a isso como sua escola de cinema. Ela orquestrou “Lady Bird” com fervor meticuloso, citando o Terrence Malick de “The Tree of Life” como uma inspiração. “O objetivo“, diz ela, “é que tudo em um filme tem significado. Nada está lá porque está lá. Passamos uma tonelada de tempo em camadas no quarto de Lady Bird, falando sobre escolher a cor da pintura que ela escolheria quando era pequena. Queríamos que todas as imagens tivessem integridade, de modo que não se sinta adornada, mas que se sentia colocada.” O resultado é um filme que parece – e sente – como a vida.

Todos os colaboradores de Gerwig falam com reverência do ambiente preciso, mas criativo que estabeleceu no set. “Ela se sentiu como nossa mãe“, diz Ronan. “Muito protetora sobre nós“. Gerwig tocou muita música e fez festas de dança como estímulos, e suas indulgências foram limitadas à demanda ocasional para o que se tornou conhecido como “Greta”: uma Coca Diet e um saco de Cheetos. (Diz Ronan: “Nunca vi alguém comer uma saco de Cheetos tão rapidamente na minha vida“).

Ela simplesmente não tem medo“, diz Scott Rudin, um dos produtores do filme. “A maioria das pessoas tem, mas eu não acho que Greta tenha. Ela tem uma confiança muito natural que vem do conhecimento de que ela é a melhor pessoa para fazer o que está fazendo. Ela tinha gente lá para ela, o que é uma coisa muito rara“.

Tracy Letts, que interpreta o pai desesperadamente protetor de Lady Bird, relata uma história sobre como Gerwig se permite guiar por seus instintos. Os dois se conheceram na premiere de Sundance de “Wiener-Dog”, um filme em que ambos atuaram (em cenas separadas). Letts diz que foi na festa da estreia que Gerwig percebeu que ele era “um velho sentimental“, e não o cara durão que ela o tinha visto interpretar em filmes e programas de TV. Ela mais tarde lhe ofereceu o papel de Larry McPherson com base nessa reunião. “Ela realmente atrai pessoas para ela“, diz Letts. “As pessoas são magnetizadas pela energia de Greta, sua personalidade. As pessoas querem estar na sala onde Greta está – literalmente.

Estou mimada agora“, diz Laurie Metcalf, que recebeu prêmios – e que, aos 62 anos, viu sua carreira obter uma injeção de combustível – por sua performance de novidades verdadeiramente divertida como Marion McPherson, a mãe complexa e adorada, controladora e imbatível de Lady Bird. “Foi o set mais adorável em que já estive. Era livre de estresse, na medida em que tudo tinha sido esculpido, pensado, como lição de casa. Greta tem uma forte coisa materna. Ela se encontrou comigo e Saoirse várias vezes para passar por nossas cenas, e isso permitiu que os atores trouxessem o que eles trouxeram“.

As discussões virtuosas entre Ronan e Metcalf tornam-se “Lady Bird”, às vezes, em um campo raro para filmes como “Terms of Endearment”, embora neste caso o conflito mãe-filha seja espetacularmente em camadas: trata de dinheiro; trata-se de ciúmes; É sobre o que a educação realmente significa; É sobre a raiva de Marion e o desejo de sua filha não deixar o ninho.

Ao mesmo tempo, o filme é um testemunho oportuno do poder romântico da amizade feminina. No decorrer do filme, Lady Bird adquire dois namorados, mas o filme nunca é uma “história de amor”, a menos que você conte a trajetória de ruptura e composição de seu relacionamento com sua melhor amiga Julie (Beanie Feldstein), a quem ela acha que está superada.

Eu assisti o filme com a minha melhor amiga“, diz Ronan, “e tivemos tantos momentos românticos juntas, onde nós simplesmente nos declaramos uma para a outra. E vendo isso na tela e vê-la sair do assento da frente e livrar-se do menino, porque isso não é o que ela precisa – ela precisa estar lá para sua amiga – para mim, esse é o momento em que Molly Ringwald sai do carro, e ele a está esperando.” É John Hughes, tudo bem – ou Gerwig explicou isso a Ronan, “seu momento de caixa-de-som-acima-da-cabeça”. Somente este mostra o que é dentro.

Letts pensa que o céu é o limite para Gerwig. “Espero que eles deem a ela um filme de ‘Star Wars’, se for o que ela quiser“, diz ele.

Em última análise, o que o triunfo de “Lady Bird” significa para Gerwig é a liberdade de seguir sua felicidade. Ela confessa que ficou surpresa com o quanto ela se apaixonou por dirigir. “É simultaneamente algo que está no seu controle e absolutamente não está no seu controle“, diz ela. “E esse paradoxo é muito atraente para mim. A natureza ilógica de fazer filmes também é atraente para mim. É um show de magia reversa. É tanto tempo e peso, dinheiro e pessoas, e você está pegando tudo isso e você está reduzindo a luz cintilante, fazendo desaparecer um sonho. Isso faz sentir estranhamente satisfatório.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan concedeu uma nova entrevista em que fala sobre seus planos para o futuro, a crescente demanda de mulheres na indústria cinematográfica e sua importância às gerações futuras, a experiência em trabalhar com Ed Sheeran para o vídeo clipe da música “Galway Girl” do cantor, bem como quando Meryl Streep foi assistir à sua peça “The Crucible” na Broadway. Confira abaixo na íntegra.

A escolha de papéis de atuação de Saoirse Ronan geralmente lhe dá a impressão de que ela deve ser realmente um indivíduo muito severa. De Lovely Bones à Atonement a Mary Queen of Scots, é uma coisa muito rara vê-la interpretar um indivíduo leve e despreocupado. Mas Saoirse em pessoa é somente piadas e comentários inteligentes e não pode ser mais distante dos personagens muito sombrios que ela frequentemente retrata.

A atriz de 23 anos, criada em Carlow, parece cortar extra nesta manhã no Four Seasons, vestida com shorts e casaco branco curto por Erdun. Ela está cheia de gás e positividade. Atualmente interpretando uma adolescente estressada no filme Lady Bird de Greta Gerwig, sobre o qual não há nada além de elogios pródigos, é uma chance rara de ver Saoirse ser mais como um jovem regular, ter lutas intermináveis ​​com sua mãe que são então esquecidas um instante depois.

Tendo sido acompanhada por ambos os pais desde que começou a trabalhar em The Clinic em 2003, ela realmente quer que você saiba que ela é a melhor amiga de seus pais e nunca foi incômoda na forma como sua personagem Lady Bird é na tela.

Sou muito próxima dos meus pais. O relacionamento entre uma mãe e uma filha pode ser complicado e eu conheço pessoas que passaram tão bem com seus parentes e podem fazer isso ou quebrar uma pessoa“, diz ela. “Estou ridiculamente próxima da minha mãe e sempre fui. Ela vem aqui comigo em Los Angeles na próxima semana. É egoísta dizer, mas nos aproximamos quando envelhecemos.

Escolhendo seu nome muito raro, que provavelmente ainda requer uma explicação e guia de pronúncia diariamente, também foi uma das decisões sábias de seus pais. Ela costumava odiar o nome, mas não mais.

Muitas pessoas não sugeriram que eu mudasse, mas, se alguém fizer isso, eu me distancio imediatamente! Eu não gostava do meu nome quando era mais jovem, porque era apenas diferente e ninguém mais o tinha e ninguém podia soletrar e ninguém poderia pronunciá-lo. Mas agora, eu gosto que ninguém tenha esse nome. Também é um pouco de um nome de palco apenas porque ninguém o tem. Mas nunca pensei em uma mudança. É um pouco mais comum agora, mas realmente só se tornou um nome nos últimos 40 anos.

Embora ela trabalhe quase constantemente, ela ainda pensa na Irlanda como em casa e me diz que ela vive lá, embora ela estivesse lá duas vezes este ano. A casa da família ainda está em Carlow e seus amigos íntimos são aqueles que ela teve desde a escola.

Eu cresci no campo em Carlow e eu sempre me levo para lá. Eu me sinto mais em casa no campo em geral, seja na Irlanda ou na Escócia. A serenidade que você recebe em lugares como estes.

Meu melhor amigo cresceu como um menino e sempre me senti confortável em relação aos meninos. Eu não namorei ou nada quando eu era criança, mas então comecei a trabalhar cedo, então não tive necessariamente uma chance“.

Falando de namoro, não consigo que ela confirme se ela está namorando Hozier, mas, por sua forma, ela cora e rapidamente muda o assunto, estou inclinado a adivinhar que deve haver algo no boato. “Isso é para mim saber!” A única coisa relacionada à música que ela menciona é o vídeo musical que ela fez na primavera com Ed Sheeran para Galway Girl.

Foi ótimo fazer o video com Ed. Na verdade, era na época do meu aniversário (12 de abril), então estávamos filmando quando eu fiz 23 anos em Galway. E, claro, todos os nativos de Galway saíram e nos seguiram pela cidade enquanto filmávamos o vídeo. Ele é brilhante e novamente, ele é uma daquelas pessoas que está muito certo e sabe o que é importante e ele trabalha duro.

Saoirse fez um total de 23 filmes até agora e os papéis de Hollywood e Broadway continuam chegando. Ela está liderando o novo Mary Queen of Scots, que deve ser lançado no próximo ano, bem como uma adaptação cinematográfica de The Seagull de Chekhov. Ela está fazendo sua parte para Lady Bird agora, aparecendo nos programas de entrevistas da noite, apresentando Saturday Night Live e coisas do gênero e fazendo o que puder para que as pessoas apoiem o filme. Ela é frequentemente comparada com Meryl Streep pelo seu alcance e seu talento e ela me fala sobre conhecê-la pela primeira vez quando ela estava pouco preparada.

É tão engraçado. No ano passado, eu estava fazendo uma peça em Nova York, The Crucible, e nós mantivemos a noite de abertura na quinta-feira. Ninguém estava bebendo ou fora ou nada – todos nós éramos muito bons. Então tivemos a noite de abertura, seguido de uma grande festa e todos saímos e tomamos algumas boas bebidas. Estávamos bem comportados. E então nós fomos no dia seguinte e nós estávamos fazendo uma matiné e nós estávamos todos nos bastidores e todos estavam cansados ​​e ninguém sentia como se estivesse disposto. Alguém diz como uma piada, ‘estamos todos um pouco enferrujados, esperemos que Meryl Streep não esteja na casa!’

Então, nós fazemos a performance, e está tudo bem, não é a nossa melhor e vamos, graças a Deus, Meryl não estava aqui. Nós descemos e estamos nos bastidores e quem é a primeira pessoa que vejo, só Meryl Streep e ela está esperando para nos conhecer! Ela chegou ao primeiro show depois de termos finalizado as visualizações. Mas ela parecia gostar de nós.

Ela fez uma grande diferença para mulheres em nossa indústria, especialmente atores, com os papéis que ela assumiu. Eu acho que ela e Cate Blanchett assumiram papéis que transcendem o gênero e são pessoas fortes e bem-arranjadas e é algo que eu sempre gostaria de viver. Eu nunca tive interesse em interpretar personagens que são pessoas interessantes, independentemente do gênero que são.

Então, sempre é incrível para mim ser comparada com alguém assim“.

Como muitos atores, Saoirse estava aprendendo muito no set e tem a visão de escrever e dirigir seu próprio trabalho no futuro.

Eu vivi em muitos lugares diferentes como Nova York e Londres e tenho sorte de ter muitos amigos. Eu sempre quis dirigir e provavelmente queria conscientemente fazer isso antes de atuar.

Acho que observando Greta Gerwig, vejo como ela passou da atuação e sinto como ‘sim, isso pode ser feito’. Ainda não é o ambiente ter uma mulher no poder. Ainda não é a norma, mas é ótimo para os mais jovens olharem para ela e ver que isso também pode ser feito.

Eu tenho amigos com quem eu gostaria de trabalhar e outro amigo meu está entrando para produzir, então eu gostaria que fosse com pessoas em quem eu confio e que realmente são amigos. Obviamente, ainda é trabalho, mas eu gostaria de torná-lo menos comercial e mais como um grupo de amigos se juntando para ajudar uns aos outros. Tenho tantos amigos, então não será difícil para encontrar alguém com quem trabalhar“.

Saoirse tem provocado comentaristas de moda em todo o mundo com suas escolhas de tapete vermelho para a estreia de Lady Bird, mas admite que encontrar um estilo que lhe convinha nem sempre era fácil. Na verdade, ela até descobriu que o estilo que ela mais gostava realmente funciona para ela – graças a sua estilista Elizabeth Saltzman.

Eu obedeço? Trabalhamos juntas“, ela ri. “Ela é ótima, muito inteligente. Quando eu comecei a trabalhar com ela, eu disse, não uso rosa, não uso brilhos, não uso flores. Eu não uso nada floral, nada feminino. E ela era como, ‘ok, você pode tentar este vestido rosa, lantejoulas e flores, por favor?’ E parecia incrível.

E, na verdade, não apreciei o quanto as roupas boas podem lhe dar confiança. Quando ela me colocou em todas essas coisas, eu definitivamente comecei a sentir um pouco mais.

Seu personagem de tapete vermelho e show de bate-papo é muitas vezes um grito muito distante de alguns dos papéis sombrios que ela interpreta, mas ela acredita que um complementa o outro.

É ótimo realmente ter uma chance de fazer isso agora“, diz ela sobre interpretar personagens menos animados. “É algo assustador, como no caminho para os comediantes, a comédia é a sua saída e eles têm uma franqueza para eles.

Eu acho que é o mesmo com muitas pessoas que fazem drama, eles são bastante leves. Eles precisam ir para o outro lado da moeda, a fim de permanecerem criativos e satisfeitos. Mas foi realmente bom fazer isso apenas porque eu realmente não fiz isso antes.

É uma mentalidade diferente para estar dentro. Eu acho que estou tão acostumada a ter que pensar de forma bastante séria, mesmo com algo como Mary Queen of Scots – é um filme sério, mas há momentos que são muito mais leves e é sempre bom ter um pouco de ambos” finaliza Ronan.

À medida que sua estrela continua a florescer, é difícil ver os diretores de qualquer tipo de gênero que discordem.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse Ronan concedeu uma nova entrevista em que fala sobre sua vida pessoal e profissional, planos para o futuro e o difícil processo de criação e interpretação de sua personagem no filme “Lady Bird“. Confira abaixo a matéria na íntegra.

Saoirse Ronan está encarando a salada de lagosta em Spago em Beverly Hills e tem uma decisão difícil de tomar em relação aos tomates de cereja. Ela não gosta deles, mas também não gosta de pedir acomodações especiais.

É tão irlandês“, explica Ronan. “Na Irlanda, você se sente tão culpado por solicitar que algo não esteja no prato. Ninguém jamais faria isso. Mas eu gosto que eles fazem isso aqui. Eu gosto da coragem!

Depois de um momento de deliberação, ela decide se encher da coragem americana e pedir ao garçom se pode ou não ser possível retirar os tomates de cereja.

Absolutamente“, ele diz sem pausa.

América“, ela suspira, sorrindo.

Ronan chegou recentemente ao Estados Unidos, fora da filmagem de “Mary Queen of Scots” na Escócia e está divulgando por meses campanha para “Lady Bird”, o filme semi-autobiográfico da escritora-diretora Greta Gerwig que se tornou um pólo improvável da temporada de prêmios. Recentemente, ultrapassou o melhor vencedor do ano passado “Moonlight” para se tornar o filme de maior bilheteria para o distribuidor A24.

Ronan interpreta a personagem criada por Gerwig, Christine McPherson, que começou a insistir que todos a chamassem de Lady Bird por motivos que nunca são explicados. Ela está navegando nas provas da faculdade, mudando amizades, meninos e um relacionamento cada vez mais tenso com sua mãe, interpretada por Laurie Metcalf. Ronan ganhou algumas das melhores avaliações de sua carreira e provavelmente resultará em uma terceira nomeação ao Oscar aos 23 anos de idade.

Eu sei que estamos fazendo uma entrevista, mas sinto muito, eu apenas estou falando de mim mesma”, diz Ronan com cansaço. “Você alcança um ponto em que você está nessa coisa de imprensa e você fica tipo ‘Eu devo falar sobre mim por três semanas’“.

Ainda assim, Ronan está hoje com espíritos particularmente bons (embora não se possa imaginar nenhum outro estado de ser) porque sua mãe (“minha melhor amiga”) acaba de voar para ficar com ela por um tempo.

Com duas nomeações ao Oscar em sua carreira (ela está entre as mais novas por terem recebido uma indicação de Supporting Actress, aos 13 por “Atonement” e uma indicação de Melhor Atriz, aos 21, por “Brooklyn”) Ronan é, por todas as contas, à frente da curva entre seus amigos e adorada por aqueles que trabalham com ela.

Saoirse é a melhor parceira de atuação do mundo“, diz Metcalf. “Ela é uma bela mistura de alguém com uma forte ética de trabalho, e, no entanto, ela sabe como manter as coisas claras no conjunto e brincar com a equipe e o elenco e então conseguiu estar totalmente presente assim que era hora de trabalhar“.

Ryan Gosling, que a dirigiu em “Lost River”, até disse que ela é como a Meryl (Streep) “renascida”.

E, no entanto, Ronan continuou a ter dúvidas sobre o seu desempenho em “Lady Bird” por meses, preocupando-se por não ter feito justiça parcial ou, pior ainda, não era “suficientemente bom para Greta”. Ela diz que no primeiro dia da produção, ela sentiu que ainda não havia descoberto completamente seu personagem.

Pessoalmente, também está em um lugar em sua vida, onde ela sente que ainda está imaginando algumas coisas.

Sempre amei (atuação) muito, mas é tudo o que já conheci. E tive um pânico recentemente onde pensei que deveria ir fazer outras coisas. Eu tenho que ir viajar. Eu até acho quando estou trabalhando, não consigo ler, não posso assistir TV, não posso fazer nada. Acho que posso ouvir podcasts, mas não posso ser estimulada por outros projetos. Seu mundo se torna tão pequeno“, diz Ronan. “Então, no ano passado, tirei 6 meses antes de ‘Mary’, o que foi o melhor que eu poderia ter feito. Apenas lembrar que existe um mundo além do que estamos fazendo“.

É parte do que faz “Lady Bird”, e sua capacidade de afetar muitos tipos diferentes de pessoas que se vêem na história, tão especial. Ronan, por toda a sua capacidade de aparecer tão mundana e composta em frente à câmera, lembra-se de como era solitária ser uma adolescente. E quando ela saiu sozinha por volta dos 19 ou 20 anos, sentiu que estava passando pela vida adulta – por exemplo, olhando os carros de supermercado de outros adultos no supermercado para saber o que comprar (“ah, ovos!“).

Algo que deu um conforto a ela na época foi o show da HBO “Girls”.

Mesmo que fossem um pouco mais velhas, Lena (Dunham) e Jenni (Konner) capturaram o que era ser uma menina e em uma cidade e por conta própria e não sabendo o que (porra) você está fazendo… Você sente que está sendo entediada“, diz ela. “Espero que ‘Lady Bird’, bem, eu sinto que está fazendo isso – ajudando as pessoas a sentir que estão sendo entendidas.

É algo que sua mãe fez com ela com a performance de “Lady Bird”.

Minha mãe era tão sábia. Ela continuou me dizendo que o fato de você não ter descoberto completamente ou manter-se de uma certa maneira foi bom porque ela também é assim. Eu, Greta e Lady Bird estávamos tentando encontrá-la juntas. Isso realmente fazia sentido para mim“, diz Ronan. “O personagem meio que assume uma vida própria e você está apenas tentando mantê-los com eles“.

Ronan aproveita da sua educação no final da refeição quando ela olha para a salada meio comida e com tomate sem cereja. Ela educadamente pede uma caixa, mas ela não tem intenção de levá-la com ela. Ela simplesmente não quer ofender o chef.

Ronan encolhe os ombros: “É tão irlandês“.

Fonte | Tradução e adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil

Saoirse participou da mesa redonda do LA Times ao lado de outras 5 atrizes talentosas, que assim como ela tiveram seus desempenhos em filmes elogiados esse ano. A conversa girou em torno do trabalho de cada uma e o Empoderamento feminino. Confira abaixo tudo que saiu:

INICIO > ENSAIOS FOTOGRÁFICOS | PHOTOSHOOTS > 2017 > LA TIMES

A temporada de prêmios sempre nos leva a pensar sobre como deve ser trabalhar nos filmes, então convidamos seis importantes atrizes para se juntar ao The Envelope para compartilhar suas ideias. Respondendo a nossa chamada foi Annette Bening, que interpreta a ex-líder de Hollywood Gloria Grahame, romanticamente ligada a um homem muito mais jovem nos últimos anos em “Film Stars Don’t Die in Liverpool”; Jessica Chastain, que interpreta a empreendedora de poker da vida real, Molly Bloom, marcada pelo FBI em “Molly’s Game”; Diane Kruger, que ganhou o prêmio de melhor atuação do festival de cinema de Cannes por sua performance de uma mulher cujo marido e filho foram mortos por terroristas em “In the Fade”; Margot Robbie, que estrela como a patinadora Tonya Harding no peculiar “I, Tonya”; Saoirse Ronan, como uma adolescente de Sacramento procurando seu lugar no mundo em “Lady Bird”; e Kate Winslet, que protagoniza o drama de de Woody Allen de 1950, Coney Island, “Wonder Wheel”.

Com idades variando de 23 à 59, as mulheres conversaram com os escritores da Times, Mark Olsen e Amy Kaufman, sobre se parecerem bem em oposição à se sentir bem, o tratamento das mulheres na tela, aprender com papéis do filme e encontrar confiança. Ah, e como as Kardashians ajudaram a preparar um papel.

Aqui está um trecho da conversa editada.

Amy Kaufman: Jessica, em Cannes, você fez uma observação depois de fazer parte do júri sobre algumas das coisas que você viu refletidas nos filmes. Você pode falar sobre o que viu?

Chastain: Sim, eu nunca tinha visto 21 filmes em tão pouco tempo, um após o outro. E uma das coisas que eu não teria notado por conta própria, mas quando observando essa concentração ficou muito claro para mim era como o mundo via as mulheres. E quão pequenas histórias falaram do ponto de vista de uma mulher, de uma protagonista feminina, uma história sobre uma mulher que não foi vitimada.

Mark Olsen: Annette, você interpreta a atriz Gloria Graham e parte do filme é sobre a forma como Hollywood trata as atrizes. Essa era uma das coisas que você estava interessada em retratar?

Annette Benning: Eu não tinha muitos detalhes reais sobre o que realmente aconteceu com Gloria. Mas o que é fascinante é que você assista as mulheres nesse período e especialmente no caso dela, ela muitas vezes estava brincando com a garota má, foi com que frequência ela recebeu bofetadas, batidas e espancamentos nos filmes. E nesse ponto, nem sequer foi um comentário. Isso foi apenas uma coisa aceita que aconteceu. Eu acho que há um tema, eu estava no Festival de Cinema de Veneza no júri este ano também assistindo filmes de todo o mundo e o número de filmes que tinham a ver com violência emocional, sexual e física contra as mulheres – e se a história não fosse por isso, foi bastante parte da mistura da narrativa.

Kaufman: Jessica, você sempre foi muito vocal nas mídias sociais. Você sente como, e isso é para todos vocês, você sente a liberdade de ser aberta sobre suas opiniões sobre a indústria?

Chastain: Estou aberta com minhas opiniões porque eu só estive na indústria há seis anos. Comecei bastante tarde – 2011 é quando meu primeiro filme saiu. Eu já tive a grande sorte de crescer fora da indústria. Não sei como não falar. E também trabalhando em “Zero Dark Thirty” com Kathryn Bigelow e toda essa experiência gentilmente acendeu a partida em mim.

Saoirse Ronan: Depende do trabalho que você está fazendo e das pessoas com quem você está trabalhando. Todo mundo aqui faz um bom trabalho e nós trabalhamos esse tipo tendo uma gravidade certa para isso. E penso que quando você se cercar do tipo certo de trabalho, você sente que está encorajada a compartilhar suas opiniões e suas opiniões sobre as coisas.

Olsen: Kate, “Wonder Wheel” é tão incomum; parece muito teatral e de um modo amplo. Como foi no set?

Kate Winslet: Bem, quero dizer, Woody Allen é um escritor extraordinário. E ele é obviamente conhecido por ter criado papéis extraordinários, papéis complicados muito poderosos para as mulheres por muitos anos. E juntar-se a essa linhagem de atrizes incríveis me fez sentir aterrorizada. Está situado em Coney Island. É da onde ele é. Então eu acho que sua efervescência e seu entusiasmo realmente eram bastante passado para todos. Vittorio Storaro foi nosso diretor de fotografia. E porque minha personagem, Ginny, vive acima de um beco de tiro dentro de uma arcada de diversões, as luzes do recinto de feiras sempre atravessavam as janelas. Constantemente através de cada cena, as cores estariam mudando e mudando. Era bastante fascinante fazer parte de algo assim. Você pode estar no meio de um diálogo de 14 páginas e tudo está sendo feito em um filmagem contínua. E as luzes provavelmente mudaram cerca de sete vezes. Dá essa sensação de calor e esse sentimento frenético. Foi realmente emocionante ser parte de algo assim.

Kaufman: Seu filme é tão intrínseco a Nova York. E Diane, você nasceu na Alemanha, mas “In the Fade” é o seu primeiro filme de língua alemã, certo?

Diane Kruger: Eu estava esperando para sair da Alemanha por um longo tempo, mas eu deixei 25 anos atrás e eu realmente não conheço ninguém na indústria cinematográfica alemã. E meu diretor, Fatih Akin, é na verdade turco, nascido na Alemanha, mas de origem turca. E cresci com seus filmes. Eu o conheci há cinco anos em Cannes. Eu era um membro do júri. E fui até ele e disse: “Por favor, se você quisesse fazer um filme comigo, eu adoraria”. E então ele se lembrou. Na verdade, ele teve esse projeto por um tempo, mas sempre foi um protagonista masculino. E depois de me encontrar, ele mudou para uma mulher.

Margot Robbie: Sim!

Kruger: Então o filme fala sobre um ataque terrorista. Baseia-se em uma história verdadeira. É um grupo de neonazistas, esse casal na Alemanha que coloca uma bomba [em um bairro turco], e meu filho de 6 anos e meu marido morrem. E o filme é realmente um filme sobre o sofrimento. Trata-se de uma jornada de uma mulher, como você pode continuar vivendo depois de perder tudo? E buscando justiça para o que aconteceu. Parece muito real.

Kaufman: Você fez muitas pesquisas, eu sei, para entender isso. E você também, Margot, pelo seu papel de patinadora Tonya Harding. Essa história é tão conhecida aqui, mas você cresceu na Austrália, então você não estava tão familiar com isso?

Robbie: Eu não sabia como essas pessoas estavam entrando nisso para que eu pudesse realmente abordá-la sem ideias pré-concebidas, mas rapidamente descobri que todos tiveram julgamento sobre ela. E a maneira como eles se lembraram depois de todos esses anos, seria como “Ah, sim, Tonya, ela bateu o oponente com um morcego.” E eu sou como não, não. Na verdade, não. Ao longo dos anos, ela é transformada em uma linha de pancada e uma vilã. Há uma incrível quantidade de filmagens e documentários feitos sobre ela. Foi incrível poder ver como ela era aos 15. E então, obviamente, por volta dos 20 anos, quando sua carreira de patinação estava no auge, fez uma série de entrevistas. E então o incidente aconteceu e ela foi ainda mais amplamente divulgada. Nós não pretendemos ser como se ela fosse uma vítima, sendo tratada como uma coitada ou heroína. Ela é só uma pessoa.

Kaufman: Há tantas ideias sobre ela lá fora, da mesma forma que havia sobre Molly Bloom quem você interpreta, a princesa do poker. O que você entrou nesse trabalho se sentindo sobre ela?

Chastain: Eu tive a experiência oposta e realmente me deixou brava comigo mesma. Uma coisa que estamos observando agora é como a mídia julga as mulheres e culpa as mulheres. Quando comecei a pesquisar sobre Molly Bloom, vi essas fotos dela saindo do tribunal e pensei: “Ok, acho que entendo quem é essa mulher. Eu acho que talvez essa mulher esteja usando sua experiência para tentar ter 15 minutos de ‘Ei, olhe para mim’. E então eu a conheci e percebi que tinha sido sugada para essa imagem que a mídia me apresentara. Quero dizer, Molly Bloom era alguém e duas vezes em nosso filme – o que eu estou muito agradecida com Aaron Sorkin por escrever – duas vezes no nosso filme, os homens ao seu redor dizem que ela não está apresentando-se adequadamente.

O filme trata muito do patriarcado e da sociedade patriarcal. Seu chefe diz a ela sobre seus sapatos serem feios e seu vestido feio. E então ela compra algo que faz com que ela pareça completamente separada de si mesma e ela apresenta essa versão sexualmente desejável, que é mais agradável para os homens no jogo. E então, no governo, seu advogado diz: “Você se parece com a versão Cinemax de você mesmo. Você precisa mudar suas roupas.” Então, tantas vezes no filme, os homens estão dizendo a Molly o que ela precisa para ser levada a sério.

Kaufman: Qual a sua experiência, como vestir aqueles vestidos muito apertados? E muita maquiagem, que não é o seu estilo?

Chastain: Eu tinha fotos das Kardashians em todo o meu trailer porque para mim era muito sobre o que a sociedade diz às mulheres que precisam ser valiosas. Então eu apareceria no set com este longo cabelo preto, meu spray bronzeado e meus vestidos curtos com os saltos mais altos e meu decote. E eu poderia me sentir imediatamente, como agora as pessoas estão prestando atenção. E, ao mesmo tempo, me sentia menor, porque não podia fazer coisas, como se eu não pudesse me inclinar e me sentar de forma confortável. Então eu experimentei essa mudança de energia na sala, mas também experimentei a mudança de energia pessoal que me fez sentir como: “Ah, tenho de me proteger de alguma forma porque não posso andar normal. Minha saia vai muito alto. Eu tenho que ser de uma certa maneira.”

Winslet: Recentemente, eu estava olhando para um livro, é chamado de “Strong Is the New Pretty”. E é um livro de imagens de jovens meninas que são atléticas, sendo fortes, orgulhosas de falar sobre seus hobbies, falando sobre o que elas aspiram em suas vidas. E só me fez pensar, Deus, eu espero que possamos dar isso à geração mais nova. E que estamos colocando uma imagem do que significa ser forte, bem sucedida, orgulhosa de seu corpo, orgulhosa de quem você é, orgulhosa das coisas que você diz. Você sabe, assumindo algum domínio, de modo que uma geração mais jovem e a que está por baixo saberão que são coisas interessantes para aspirar a ser. E não se trata de uma imagem.

Ronan: É mais sobre quem somos como pessoa em comparação com a forma do nosso corpo ou algo assim. Todos também tem uma responsabilidade.

Chastain: Eu gosto do que você disse, é quem somos como pessoas. Porque se alguém quiser usar um vestido bandagem, que dê mais poder a si, está tudo bem.

Ronan: Uma coisa que tenho certeza de que vocês conseguem o tempo todo, eles estão constantemente me dizendo para sorrir. E para ser honesta quando eu entro em um tapete vermelho, é uma situação estranha. E a última coisa que eu quero fazer é ir, “Isso é ótimo, não é?”

Kaufman: Falando em sentir-se confortável, você parecia você mesma em “Lady Bird”. Apenas uma adolescente.

Ronan: A fisicalidade de Lady Bird foi muito importante para ter razão e demorou algum tempo para descobrirmos exatamente. Eu acho que basicamente passamos as filmagens inteira tentando descobrir quem era essa garota porque a encontramos nesse tipo de momento intermediário em sua vida onde ela não sabe quem ela é. E então ela está naquele tipo de jornada para descobrir onde ela está indo e o que ela quer dizer e onde ela quer acabar e coisas assim. A grande coisa sobre interpretar alguém como ela é que ela é realmente como uma showman. E assim, em uma cena, ela poderia ser, você sabe, a comediante. Na próxima cena, ela é uma louca insegura. E a próxima cena ela é a melhor amiga. E por isso foi ótimo como uma atriz apenas tentar todos esses personagens diferentes de um momento para o outro.

Robbie: Quando eu estava tentando interpretar Tonya aos 15 anos, eu estava realmente tentando lembrar o que eu sentia quando tinha 15. E o que mais me lembro é que eu estava tão dolorosamente consciente de tudo.

Ronan: Mas essa é a coisa, os jovens precisam saber de todos nós que está certo não se sentir realmente confiante o tempo todo. Está certo não sempre sentir o seu melhor porque também sentimos isso. Os atores definitivamente passam por isso; somos tão vulneráveis.

Winslet: Leva anos para adquirir confiança – seja qual for a sua vocação escolhida. Para ter a confiança para ser quem você é.

Bening: Quando você é uma pessoa criativa, seja qual for a sua vocação – escrevendo, pintando, cantando ou atuando – sempre há uma certa insegurança ou incerteza ou há uma pesquisa e, de certa forma, isso nunca para. O que você estava descrevendo quando trabalhava com Woody, isso sempre está lá. Você quer estar em um lugar de incerteza, um lugar que talvez algo surpreendente possa acontecer.

Winslet: Atuar é se sentir assustada, sendo vulnerável, sendo crua.

Ronan: E tocando para chegar a isso.

Olsen: Diane, para você, parece que seu papel é algo que estará muito longe de sua própria experiência, como foi isso?

Kruger: Sim, eu não tenho filhos, então interpretar uma mãe que está perdendo seu filho estava definitivamente longe do que eu poderia imaginar. Para mim, estava se reunindo com muitas vítimas. Você sabe que eu sentei em muitos grupos de auto-ajuda. Conheci cerca de 30 famílias que perderam crianças ou familiares. Não necessariamente ao terrorismo, mas ao assassinato. E acho que o que você diz é que, quando envelhece, não percebi o quão às vezes, talvez por minha própria culpa, mas, às vezes, um personagem faz você descobrir muito mais sobre você e sua capacidade de empatia.

E enquanto você, como ator, busca a verdade desse personagem, especialmente quando é um filme contemporâneo e algo acontece, você sabe, ainda está em andamento, como está no meu filme. A realidade de conhecer pessoas que atravessam algo tão real e as diferentes etapas do sofrimento e viver neste mundo em que todos vivemos com o terrorismo e os ataques acontecendo e às vezes as pessoas estão sendo reduzidas a números. Cem pessoas morreram, 50 pessoas morreram. Nós nunca paramos e pensamos sobre as pessoas que ficam atrasadas seis meses depois, um ano depois, dois anos depois. E nunca esquecerei a realidade de que essas pessoas vivem.

Olsen: Vocês acham que alguma parte de seus papéis continuam com vocês?

Chastain: Me entrego aos meus personagens. Quero dizer, “Tree of Life”, que personagem incrível, porque é basicamente uma meditação sobre a graça e o amor e eu expandiria o meu espaço do coração pela manhã antes de entrar no set. E, em seguida, “Zero Dark Thirty”, de repente estou tocando um personagem [quem] seus superiores não valorizam e não a ouviram. Então ela deve fazer-se ouvir. Então, afastei-me desse filme pensando que se isso acontecer comigo na minha vida real, não é tão assustador se preciso falar por mim mesma.

Olsen: E você ainda tem alguma sensação sobre o que você está carregando de Molly Bloom?

Chastain: Eu acho que agora sinto mais as mulheres. Eu costumava julgar sempre que eu ouvia que havia uma fita sexual lá fora ou quando eu ouviria que elas eram uma modelo nu ou o que quer que fosse, o que eu fazia nudez em meus filmes, então não é nada disso. Eu acreditava no que a mídia iria me mostrar.

Kaufman: O julgamento sobre as pessoas é tão intenso. Margot, eu lembro quando você foi anunciada para “I, Tonya”, honestamente, houve muitas manchetes que disseram que Margot é muito bonita para interpretar Tonya Harding, o que é injusto para vocês duas.

Robbie: Eu pensei que quando eu assinei para produzir e interpretar Tonya que todos seriam tipo, “Como se atreve, ela não é americana.” Era tudo sobre os olhares.

Kaufman: Você produziu esse filme. E eu conheço Jessica, você tem uma empresa de produção. Você está tentando assumir um controle mais criativo à medida que suas carreiras evoluem?

Winslet: é tão importante que começamos a criar não só nosso próprio destino, mas também a criar uma plataforma e proporcionar um mundo no qual possamos criar papéis maiores e fortes para as mulheres. E que conte histórias dirigidas por mulheres. Você sabe que eu li em algum outro lugar que Linda Hamilton está de volta como heroína de ação com 68 anos [de “Terminator”]. Os homens que podem continuar fazendo isso aos 70 anos interpretando os heróis de ação. A menos que nós comecemos a esculpir um pouco disso, eu realmente não penso que ninguém mais vai fazer isso por nós. Annette e eu estávamos falando anteriormente, temos uma filha exatamente da mesma idade interessadas em atuar. Vamos dar-lhes algo para esperar que seja parte de que não é apenas sobre aparências, vamos fazer com que elas aspirem a ser uma heroína de ação aos 68 anos.

Fonte | Tradução e Adaptação – Equipe Saoirse Ronan Brasil



Página 1 de 3123



O Saoirse Ronan Brasil é um site feito por fãs que não é afiliado e/ou mantém contato de alguma forma com a Saoirse, amigos, agentes ou alguém relacionado à seus projetos. Esse site foi feito apenas para postar notícias para pessoas que como nós, admira seu trabalho e seu jeito. O SRBR não tem nenhuma intenção de lucro. Caso pegue alguma tradução ou notícia exclusiva e reproduza em seu site, nos dê os devidos créditos.